Sobre os (maus) argumentos em relação ao uso de peles

Hey, povo!
Tenho visto nos últimos dias muita conversa sobre o uso de peles.  Surgiram várias Cruelas blogs a fora se colocando como vítimas das críticas de leitor@s.

E no meio de tantos comentários proferidos também muitas falácias. Hoje pretendo identificar algumas dessas falácias proferidas por pessoas com vários posicionamentos.
Bem, não tem como dar uma aula de lógica aqui, então vou ser mais objetiva. Falácia, do latim fallere que significa falho. É um argumento logicamente inconsistente, muito usado para persuadir e geralmente se mostra convincente mesmo não possuindo bases lógicas.
Vamos aos argumentos:

“Aah, só aceito crítica ao fato de eu usar peles de quem seja vegetariano”
“Vocês que comem carne não têm direito de criticar quem usa pele”
“Eu uso peles e vocês comem carne, quanta hipocrisia!”
“Você usava pele um tempo atrás e agora fica dando uma de protetora dos animais”
“Vocês criticam quem usa pele e compram coisas no Brás e 25 de março e fast fashions que compram da china, que têm origem duvidosa e fruto de exploração e trabalho escravo”

Essa é de longe a falácia mais propagada nesse assunto. Mas sim, é uma falácia, um argumento com falha lógica. É um tipo de ad hominem: falácia tu quoque (ou apelo à hipocrisia), onde a pessoa ataca o oponente se referindo a algo que ele faça que seja semelhante ao que está sendo criticado. Apesar de calar o oponente na maioria das vezes por colocá-lo na defensiva, não há bases lógicas nesse argumento. FALÁCIA!
O fato de uma pessoa praticar algum ato não necessariamente torna inconsistente o princípio proposto pela mesma. Alguém comer carne não invalida o argumento “usar peles é errado por causar sofrimento e matar animais por motivos puramente estéticos”.
Outro exemplo: João bebe. João diz que bebida faz mal à saúde. “mas João bebe e fica falando isso! quanta hipocrisia!”. Entretanto, o fato de João beber não é o foco e não invalida o argumento de que bebida faça mal à saúde.  Lembremos de atacar argumentos e não as pessoas que os proferem.

“Vocês ficam defendendo raposa e chinchila enquanto tem várias crianças por aí morrendo de fome!”
Falácia da falsa dicotomia. Ser contra uso de peles e agir contra esse uso (seja boicotando, denunciando, sendo ativista e afins) não impede que a pessoa também lute contra a fome.
Não há o “OU luta pelos animais OU pelas criancinhas passando fome”, é uma falsa dicotomia.

“Tanta gente usa pele, por que eu não posso usar?”
Aqui ocorre o argumentum ad populum, ou apelo à multidão. O fato de muitas pessoas usarem não torna mais aceitável o uso.

“Não faz sentido acabar com o uso de peles pois a produção de roupas/calçados é importante para a economia”
A relevância econômica não trata de questões éticas. Se as pessoas preferirem usar peles fakes a produção das mesma se tornará mais rentável que as verdadeiras, por exemplo. Só existe o comércio de peles pois há quem compre.

“Proteger-se do frio é necessidade, por isso o uso de casacos de pele é justificável. Questão de sobrevivência.”
Sério que todas essas dondocas são pobres garotas que vão morrer de frio se não usarem pele fora de Oymyakon (na Rússia, lugar habitado mais frio da Terra)?

“Nossos antepassados usavam peles então é certo”
Apelo à antiguidade. Os tempos são diferentes, com necessidades diferentes, tecnologias diferentes. Não é certo ou bom só por ter sido usado por pessoas da antiguidade.

Para quem já tem uma pele, seja por ter comprado, ganhado ou ser de família, e não queira mais usar, o que fazer? Já comprou, e agora? queima? picota tudo? manda exorcizar?
Uma alternativa é doar. Sim, doar para quem REALMENTE esteja passando frio (ainda mais no inverno que se inicia).

Bem, estes são os argumentos que estou lembrando no momento, se lembrar de mais algum atualizo.

Muito além do sofrimento, animais morrerem (mesmo que inventassem métodos indolores) por motivos unicamente estéticos NÃO me faz sentido.

animal skin
Beijos, Jheh
=*
Já curtiu o Nome é para Fracos no FaceBook?? ainda não? curta já =D
E follow, follow, follow! @nomeeparafracos